Leitura

Hospital e Maternidade Santa Isabel sela termo de cooperação com a Prefeitura de Aracaju para acolher profissionais do Projeto Corujinha

30 de Janeiro de 2021


Na manhã desta sexta-feira, 29, o Hospital e Maternidade Santa Isabel em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) realizou uma solenidade para assinar um termo de cooperação para acolher enfermeiras e técnicas de enfermagem do Projeto Corujinha. A reunião contou com a presença do Secretário Adjundo da Saúde de Aracaju, Carlos Noronha, da Diretora Clínica do Santa Isabel, Dra. Débora Leite, do Presidente Interino do Santa Isabel, Douglas Rosendo e da Diretora Técnica da Saúde da Criança e do Adolescente, Jaqueline Nascimento.

“O Hospital Santa Isabel é o nosso parceiro, principalmente nesse processo de promoção à saúde. A vacina é uma estratégia importante da saúde pública, prevenindo as doenças, principalmente, as doenças iniciais, visto que os bebês nascem sem uma imunidade pré-determinada. Hoje, no Brasil, a gente lida com um movimento antivacinal muito grande e é de extrema importância que a criança já nasça e seja introduzida, junto com a família, às informações relacionadas ao processo das vacinas”, explicou o Secretário Adjunto Municipal da Saúde, Carlos Noronha.

O Santa Isabel realiza, em média, 900 partos por mês e todas as crianças saem da maternidade vacinadas. Essa reunião serviu para relembrar a importância do projeto que tem como objetivo reduzir a mortalidade infantil, já que permite que todas as crianças nascidas vivas saiam da maternidade com as duas primeiras vacinas do calendário tomadas. Essas primeiras vacinas são a BCG e a primeira dose da Hepatite B.

O Presidente Interino do hospital, Douglas Rosendo, aproveitou para falar sobre a recém-inaugurada sala do projeto. “Montamos uma sala nova para o trabalho de vacinação, um ambiente climatizado, com banheiro privativo. O Hospital Santa Isabel vai dar todo o apoio necessário para que a gente possa melhorar e ampliar esse projeto, em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde”, relatou.

As Corujinhas, como são conhecidas as profissionais que fazem parte do projeto, conheceram e visitaram a sala recém-inaugurada e equipada para receber e preparar as vacinas. Elas aproveitaram a ocasião para preparar as vacinas BCG e a primeira dose da Hepatite B e aplicar na pequena Kelly Santos, que nascera no dia anterior.

A pequena Kelly Santos é a segunda filha da Maria Goretti Santos, que pela primeira vez, sairá da maternidade com seu bebê vacinado e com cartão de vacinação. “Ela é minha segunda filha. É a primeira vez que saio da maternidade com meu bebê vacinado. Isso é muito importante. Fui muito bem atendida, me surpreendi”, relata.

Neide Cruz é Corujinha, ela conta que ao longo desses nove anos como servidora do município, conheceu histórias de pessoas que morriam por doenças que ainda não foram erradicadas no país, como a Coqueluche, e que projetos como o Corujinha são importantes para a comunidade. “Eu tenho quase nove anos de prefeitura. Esse projeto é muito importante porque já vi pessoas morrendo de doenças que ainda não foram erradicadas, como Coqueluche, Sarampo e até síndromes gripais. Então, vacinar esses bebês ainda na maternidade é muito importante.Estou há um ano e dez meses e tem sido uma experiência gratificante e nova para mim. Agradeço ao Santa Isabel pelo acolhimento e à Prefeitura que sempre está nos atendendo, pois esse projeto é importante demais para a sociedade e principalmente para nossas crianças que estão nascendo”, conclui.

*Hospital e Maternidade Santa Isabel sela termo de cooperação com a Prefeitura de Aracaju para acolher profissionais do Projeto Corujinha*

Na manhã desta sexta-feira, 29, o Hospital e Maternidade Santa Isabel em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) realizou uma solenidade para assinar um termo de cooperação para acolher enfermeiras e técnicas de enfermagem do Projeto Corujinha. A reunião contou com a presença do Secretário Adjundo da Saúde de Aracaju, Carlos Noronha, da Diretora Clínica do Santa Isabel, Dra. Débora Leite, do Presidente Interino do Santa Isabel, Douglas Rosendo e da Diretora Técnica, Jaqueline Nascimento.

“O Hospital Santa Isabel é o nosso parceiro, principalmente nesse processo de promoção à saúde. A vacina é uma estratégia importante da saúde pública, prevenindo as doenças, principalmente, as doenças iniciais, visto que os bebês nascem sem uma imunidade pré-determinada. Hoje, no Brasil, a gente lida com um movimento antivacinal muito grande e é de extrema importância que a criança já nasça e seja introduzida, junto com a família, às informações relacionadas ao processo das vacinas”, explicou o Secretário Adjunto Municipal da Saúde, Carlos Noronha.

O Santa Isabel realiza, em média, 900 partos por mês e todas as crianças saem da maternidade vacinadas. Essa reunião serviu para relembrar a importância do projeto que tem como objetivo reduzir a mortalidade infantil, já que permite que todas as crianças nascidas vivas saiam da maternidade com as duas primeiras vacinas do calendário tomadas. Essas primeiras vacinas são a BCG e a primeira dose da Hepatite B.

O Presidente Interino do hospital, Douglas Rosendo, aproveitou para falar sobre a recém-inaugurada sala do projeto. “Montamos uma sala nova para o trabalho de vacinação, um ambiente climatizado, com banheiro privativo. O Hospital Santa Isabel vai dar todo o apoio necessário para que a gente possa melhorar e ampliar esse projeto, em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde”, relatou.

As Corujinhas, como são conhecidas as profissionais que fazem parte do projeto, conheceram e visitaram a sala recém-inaugurada e equipada para receber e preparar as vacinas. Elas aproveitaram a ocasião para preparar as vacinas BCG e a primeira dose da Hepatite B e aplicar na pequena Kelly Santos, que nascera no dia anterior.

A pequena Kelly Santos é a segunda filha da Maria Goretti Santos, que pela primeira vez, sairá da maternidade com seu bebê vacinado e com cartão de vacinação. “Ela é minha segunda filha. É a primeira vez que saio da maternidade com meu bebê vacinado. Isso é muito importante. Fui muito bem atendida, me surpreendi”, relata.

Neide Cruz é Corujinha, ela conta que ao longo desses nove anos como servidora do município, conheceu histórias de pessoas que morriam por doenças que ainda não foram erradicadas no país, como a Coqueluche, e que projetos como o Corujinha são importantes para a comunidade. “Eu tenho quase nove anos de prefeitura. Esse projeto é muito importante porque já vi pessoas morrendo de doenças que ainda não foram erradicadas, como Coqueluche, Sarampo e até síndromes gripais. Então, vacinar esses bebês ainda na maternidade é muito importante.Estou há um ano e dez meses e tem sido uma experiência gratificante e nova para mim. Agradeço ao Santa Isabel pelo acolhimento e à Prefeitura que sempre está nos atendendo, pois esse projeto é importante demais para a sociedade e principalmente para nossas crianças que estão nascendo”, conclui.